Um ano da lua



 

 

Foram reunidos dados provenientes da sonda Lunar Reconnaissance Orbiter que resultaram numa fabulosa animação, da oscilação da, lua durante 2011.

 

Cada mês equivale a 12 segundos e o ano a 2.5 minutos. Esta será como a lua será vista por nós durante todo o ano de 2011.

 

Embora vejamos sempre a mesma face da lua, nem sempre é isso que acontece devido à oscilação do seu eixo e à sua órbita ser uma elipse, mas ao olho humano desarmado, será sempre a mesma face visivel.

 

Aqui fica um texto a explicar (em Português compreensivel :)) sobre o tema

 

 

Porque é que a Lua nos mostra sempre a mesma face?

 

Qualquer observador da Lua repara rapidamente que, curiosamente, esta nos mostra sempre a mesma cara. Para os mais distraídos isto até pode parecer natural, pois afinal de contas a Lua só é Lua quando tem a cara conhecida e por isso mesmo outra cara seria impensável! No entanto, se pensarmos um pouco mais na sua natureza física e pusermos de parte o nosso senso comum, vemos que a Lua é um planeta como qualquer outro e, como tal, deve possuir uma rotação própria. Na realidade é exactamente isso que acontece, a Lua roda tal como a Terra em torno de um eixo imaginário. Mas assim sendo, porque razão não vemos nós o disco da Lua variar?

A resposta a esta pergunta não é complicada, devendo-se ao facto de o tempo que esta demora a completar uma rotação sobre si própria - período de rotação - coincidir exactamente com o tempo que esta leva a completar uma volta em torno do nosso planeta - período de translação.

 

Sempre que se observa na Natureza uma tamanha coincidência, somos levados a pensar que talvez não se trate de uma verdadeira obra do acaso, mas sim de algo natural. Tanto mais que quando observamos a maior parte dos satélites dos outros planetas do nosso sistema solar, verificamos que esta formidável relação entre os períodos de rotação e translação também se verifica. Mas então, a que se deverá este curioso fenómeno?

 

Mais uma vez a resposta está na força de gravidade. Sim, a mesma força que mantém a Lua em órbita da Terra é responsável pelo sincronismo dos seus dois movimentos de rotação principais! No entanto, não podemos pensar na Lua como um ponto que orbita a Terra, temos sim que ter em conta a sua forma e estrutura interna: as zonas da Lua mais próximas da Terra vão sofrer uma atracção maior que as zonas mais afastadas. A esta atracção diferencial das diferentes partes de um corpo chama-se "efeito de maré".

O nome provém do facto deste fenómeno ser também o responsável pela existência de marés nos oceanos da Terra. Na Lua não existem oceanos mas todo o planeta sofre a acção desta força que o deforma constantemente. A consequente fricção entre as suas camadas interiores resulta em dissipação de energia interna que nos casos mais violentos pode originar vulcões (como se observa na lua joviana, Io). Aquando da sua formação a Lua possuía, tal como os outros astros, um período de rotação independente e com uma duração inferior a alguns dias. Contudo, sob a acção contínua dos efeitos de maré provocados pela presença da Terra, o seu período de rotação foi aumentando constantemente até atingir o patamar em que hoje se encontra. A situação actual é estável pois corresponde a um mínimo de dissipação de energia. Intuitivamente pode-se tentar compreender a situação actual através do modelo da "bola de rugby". Imagine-se que a Lua é uma esfera perfeita.

 

Na presença do efeito de maré ela deforma-se, transformando-se num elipsoide com a forma aproximada de uma bola de rugby. Ora, enquanto a sincronização não é alcançada, os pontos da Lua vão sofrer constantemente uma modificação da sua posição, oscilando entre a forma esférica e a elipsoide. Quando chegamos à posição de sincronismo, temos permanentemente a Lua com forma elipsoide, com as extremidades colocadas na direcção que a une à Terra. Nesta situação a Lua fica permanentemente deformada, mas nenhum dos seus pontos sofre mais modificação de posição. Na realidade os astrónomos conseguem observar cerca de 60 % da superfície lunar a partir da Terra (em vez da metade prevista pela teoria). Isto não está de forma alguma em contradição com o que acaba de ser explicado nos parágrafos precedentes. O que sucede é que até aqui temos considerado a órbita da Lua circular. Como se sabe isto não é bem verdade: a órbita lunar, embora bastante próxima de um círculo perfeito, é afinal uma elipse. Desta forma, consoante a posição da Lua na sua órbita assim se consegue espreitar um pouco mais além. Só foi possível observar a restante superfície lunar com o auxílio de sondas espaciais. Só em 1993 com a sonda "Clementine", se conseguiu cartografar na totalidade a superfície desconhecida!!!

Créditos: Observatório Astronómico de Lisboa

 

 

 

Voltando ao tema principal do post, aqui fica a animação

 

 

Fonte: Universe Today




/



Korea's Got Talent - Sung-Bong Choi



 

O franchising [Insert country name here] Got Talent, chegou à Coreia do Sul.

 

Começou no dia 4 de Junho e é transmitido pela tvN Asia, tendo como juízes: Park Kolleen, Jang Jin e Song Yun-ah

 

 

E eis que, logo no 1º episódio, somos presenteados com o seguinte concorrente (vale a pena ver até ao fim):

 

 

 

 

Impressionante a história de vida...

 

 

Fontes:

Wiki: Korea's Got Talent

Wiki: Sung-Bong Choi




/



Lua... vermelha?



 

 

Pelo menos duas vezes por ano o eclipse lunar presenteia, algumas partes do mundo, com uma vista maravilhosa e assustadora da lua em tons de... vermelho.

 

 

A próxima oportunidade que temos de assistir a este evento bi-anual, é já no próximo dia 15 de Junho.

 

Em baixo segue uma breve video com a explicação para este fenómeno universal

 




/



Aterragem da Curiosity (MSL) em Marte



 

 

O lançamento de mais uma sonda para estudar solo marciano está previsto para 25 de Novembro próximo (2011), seguindo o calendário terráqueo, está prevista a sua chegada a Marte em pleno mês de Agosto, dia 6.

 

 

Fica aqui uma (espantosa) animação feita pela Nasa, de como será a abordagem ao solo do 4º planeta, a contar do Sol.

 

Será usada uma nova técnica, uma espécie de guindaste-espacial, vale a pena ver até ao fim.

 

 

 

 

 

 

 

Mais informações na wikipedia




/